Tags

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Neste final de ano de 2015, estive lendo os posts que publiquei no último dia de 2014 e no primeiro de 2015. Naquela época (não me perguntem como) publicava um texto por dia. Pois lendo o Feliz último dia do ano e O primeiro dia do ano fiquei um tanto atônito com as grandes mudanças que ocorreram em minha recuperação nos 365 dias que se passaram. Sim, a realidade agora é bem diferente. Embora tenha ocorrido muitas dificuldades e até uma recaída, de certa forma inusitada, tudo deu certo. Certo até demais. Hoje estou feliz, novamente em paz, e levando uma boa vida, fruto do meu esforço e da intercessão de companheiros leais e de um Deus amoroso que nunca desistiu de mim.

Hoje estou em uma nova fase. Meu primeiro ano de recuperação, mesmo com um grande deslise, se mostrou um grato sucesso. Todos os planos foram realizados e com mais vitórias do que tinha imaginado. Hoje tenho finalmente um padrinho e companheiros se verdade, que me dão apoio quando preciso. São verdadeiros amigos com quem, mesmo a distância, são pessoas com quem posso contar. O mais legal é que eles também têm seus defeitos, sabem disso e se esmeram em resolvê-los.

Na verdade, passei os últimos dias pensando no que escrever nesse primeiro post de 2016. Muitas questões vieram-me à memória nesses dias, mas delas nenhuma consigo me lembrar agora. E o cursor piscando na tela inquirindo-me o porquê já não me deixa nem um pouco preocupado. O fato principal é: TUDO VAI DAR CERTO. Tudo dá certo no final. Ou melhor, não no final, diria no decorrer do processo.

Tenho vários planos para este ano que se inicia, mas não os coloquei no papel. Só uma coisa é certa: vou trabalhar os passos com meu padrinho e vou me esmerar para que isso ocorra da forma mais tranquila possível. Outra meta é manter a minha espiritualidade em alta, o que vem ocorrendo desde agosto do ano passado. Isso foi fundamental para a minha volta por cima depois da recaída. Preciso também (o que já estou fazendo há algum tempo) afastar-me das pessoas que não confiaram em mim e que, mesmo achando que estavam ajudando, deram por terra arrasada minha recuperação. Aproximei-me daqueles que confiaram em mim e no meu casamento. Aqueles que não sucumbiram com a ideia de que a vida pela qual eu havia lutado nesses 23 anos de alcoolismo deveria acabar, aqueles que pensaram (e foram taxativos) de que eu deveria tomar outro caminho, largar tudo pelo qual lutei e ir em busca de um novo destino. Neguei-me a essa ideia e tem dado certo. Deus, na forma em que eu O concebo teve piedade e revelou coisas novas, novos modos de fazer as coisas e tudo tem dado muito certo.

Também estou contrariando várias ideias (sei, estou repetindo a palavra “ideia”) como dedicar-me a grupos de Alcoólicos Anônimos. Existem muitos membros de A.A. e de Narcóticos Anônimos (N.A.) que são fenomenais seguindo os princípios das irmandades. Mas também há muitos (a maioria) que são um poço de tristeza, mágoa, desespero, agonia, incredulidade até. Desses me afastei para a boa convivência comigo mesmo.

De qualquer forma, só gostaria de dizer que estou bem. Confiante na minha recuperação e feliz a cada dia com minha filha que me ajuda a me reeditar como ser humano (mas isso é assunto para outro post). Acredito que a produção no site vai aumentar nos próximos dias, uma vez que tenho muito a falar. Espero poder continuar ajudando mais alguém além de mim.

Abraços a todos, muitas 24 horas e um 2016 cheio de paz e de Luz para todos.