Tags

, , , , , , , , , , , , ,

Crescer em uma casa (preferi não escrever “lar”) com um pai ou mãe alcoólatra pode afetar crianças tão profundamente que eles podem sofrer repercussões emocionais e psicológicas para o resto de suas vidas. A experiência pode afetar a autoestima das crianças, suas atitudes, e sua capacidade de formar relacionamentos. Muitos daqueles criados em uma casa alcoólica se sentem perdidos e abandonados. A maioria está com raiva, cheia de raiva. Outros apresentam sintomas de depressão e, quando crescem, podem exibir o pensamento disfuncional e outras características que são compartilhadas por muitos outros com origens semelhantes.

Acompanhe abaixo o depoimento de um jovem de 16 anos de idade escrito para o site About.com no qual anonimamente compartilha seus sentimentos em relação a seu pai alcoólatra:

Crescer em uma casa alcoólica prejudica enormemente seu futuro

“Meu pai tem sido um alcoólatra desde que ele se casou com minha mãe. Às vezes, eu acho que ele fez isso de propósito, não que isso importe mais. Eu tenho 16 anos agora e ele tem prejudicado a minha família mais do que você poderia imaginar. Ele ameaçou deixar minha família sem suporte várias vezes. Tem havido muitas visitas da polícia obrigatórias a minha casa do que eu poderia descrever.”

Ele poderia estar sóbrio a partir deste ponto para a frente e eu não o perdoaria

“Ele não é mesmo o meu pai e, para dizer honestamente, nunca foi realmente um pai. Ele nunca esteve lá para mim. Ele não sabe nada sobre mim.”

Vida em torno do álcool

“A vida de meu pai gira em torno de álcool. E não são apenas algumas cervejas à noite. Vodka. Rum. Bourbon. Eu memorizei os rótulos das garrafas que ele esconde. Ele bebe de manhã à noite e não para até que perceba que continuar bebendo não o deixaria mais bêbado. Seu vício não me deixa outra escolha senão concluir que ele não se importa comigo, que escolheu sua fraqueza em vez de seu filho. Faz você se sentir abandonado, apesar de estar sóbrio. Não importa.”

Sem perspectiva de dias melhores

“Se ele quiser conviver com a pessoa que criou, que lhe deu a vida, que deveria cuidar e ser seu herói, escolher uma vida de vício é de um egoísmo absoluto, é algo que sempre dificulta minha visão otimista do resto de sua vida.”

Uma cicatriz que não pode ser fechada

“Certo. É possível superar esta fase e, por meio dos estudos conseguir um emprego para sustentar a si mesmo. Sempre dizem que devo superar isso, mas isso significa que tenho de deixá-lo no passado. E isso é muito difícil para mim. Crescer com um pai alcoólico deixa uma cicatriz em você que não pode ser fechada. Torna-se uma parte de você. Está em seu sangue.”

A gente não se entende

“Todos os alcoólicos são diferentes. Seus hábitos afetam seus corpos de forma diferente, o que significa que cada situação em casa é diferente. Você pode ter um amigo que sofre com isso também, mas você nunca vai realmente entender como cada um de vocês realmente se sente. A verdade da questão? É horrível. Muito. E não, não há nada que você possa fazer sobre isso.”

Há ajuda disponível

Ter um pai alcoólatra pode ter efeitos duradouros sobre as crianças no agregado familiar e que pode continuar a ser afetado por muito tempo na idade adulta, mas há ajuda disponível para aqueles dispostos a pedir. Muitos encontraram recuperação da experiência de crescer em uma casa com um alcoólatra em grupos de apoio como o Al-Anon do Brasil, a Nacoa (Associação Nacional para Filhos de Alcoolistas e Dependentes Químicos) ou ainda o Cuida (Centro Utilitário de Intervenção e Apoio aos Filhos de Dependentes Químicos). Outros ainda têm encontrado ajuda através de aconselhamento e aconselhamento profissional.

Se você não tem certeza se tem sido afetado pela experiência, pode ler mais a respeito no post “Você cresceu em uma casa alcoólica? Faça o teste!”. Nele, há informações, perguntas e respostas nas quais você pode se identificar e, a partir daí, buscar ajuda.


Traduzido e editado por Alcoólico em Paz, com informações do site About Health.

CONFIRA OUTROS POSTS DESTE BLOG RELACIONADOS AO ASSUNTO:

Anúncios